Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Marrakech é ótima opção para a lua de mel

25/03/2019

Combinar herança cultural, museus de arte tradicionais e modernos e ainda proporcionar galerias de arte contemporâneas não é tarefa fácil. Acrescente ainda lindos jardins e uma culinária autêntica e saborosíssima. Marrakech prova que é possível uma cidade reunir tudo isso, e sempre ser ótima opção para uma viagem épica, inclusive para os casais que estão planejando a lua de mel. Um simples passeio a dois pelas ruas labirínticas da “Cidade Vermelha” já encanta! Marrakech tem esse apelido por conta de suas inúmeras construções em tom rosa terroso, inspiradas nos mais diversos estilos arquitetônicos, como muçulmano, art déco e barroco. E tem mais:  silhuetas de arcos e minaretes (torre muito comum na arquitetura muçulmana) também se erguem por lá. Marrakech também encanta pela gastronomia. Uma das principais cidades do Marrocos concentra ótimos restaurantes que privilegiam a conceituada culinária do país. A cozinha marroquina é famosa pela mistura entre diferentes heranças culturais (povos berberes, do Norte da África; árabes; judeus e da comunidade autônoma espanhola da Andaluzia). O resultado é uma rica (e deliciosa!) combinação de cores e sabores.

Cidade histórica

Quase mil anos de história dão a Marrakech um semblante cultural especial. Mesquitas, palácios, madraças (escolas muçulmanas), santuários, construções medievais... A lista de atrativos históricos é grande e alguns locais não devem faltar na lua de mel. A praça Djemaa el-Fna é a mais famosa e símbolo do país, declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco. Igualmente bela, a Koutoubia Mosque é uma das principais mesquitas do Marrocos e tem como destaque sua minarete, uma torre de 70 metros de altura do século 13. Outro highlight é a Almoravid Koubba, um santuário do século 12 que combina as arquiteturas hispânica e moura. Já os bairros de Kasbah e Mellah abrigam palácios icônicos, com destaque para o Palais El Badi, construído no final do século 16, e o Palais Bahia, representante da arquitetura islâmica e ainda formado por jardins mouros (mouros são os povos originários do Norte da África). A última dica é dar um pulinho na Ben Youssef Medersa, uma madraça que encanta com suas paredes repletas de mosaicos marroquinos, e obras de arte de madeira.

Cidade artística

Marrakech olha para o passado, mas não se esquece do futuro. O Marrocos é um dos destaques quando o assunto é arte africana e uma das suas principais cidades não fica para trás nesse cenário. Se a ideia é visitar museus tradicionais, que proporcionam há anos acervos e exposições riquíssimas, são boas opções o Musée de Marrakech, dedicado a diferentes formas da arte do país, a Maison de la Photographie, com dezenas de fotos que preservam a cultura e história marroquinos dos últimos 150 anos, e o Musée Tiskiwin, voltado à cultura de povos originários do Norte da África. Já o menos tradicional - mas igualmente conceituado - Musée Yves Saint Laurent Marrakech é integralmente voltado ao trabalho do designer de moda francês Yves Saint Laurent, enquanto a VOICE gallery já chama a atenção por sua fachada branca, em meio às vizinhas rosadas. A VOICE é uma galeria de arte que proporciona trabalhos de artistas locais e internacionais, e tem como principal objetivo exibir obras que representem os tempos atuais. Mais contemporânea impossível! Também merecem uma visitinha a Galeria 6.4 e a Galerie 127 (especializada em fotografia). E tem mais: a 1-54 Contemporary African Art Fair é uma feira anual de arte contemporânea, com edições também em Londres e Nova York, que reúne galerias do mundo inteiro. Esse ano aconteceu a segunda edição, de 21 a 24 de fevereiro, que já gerou expectativas para o evento do ano que vem.

Jardins românticos

Marrakech é histórica, artística, mas também dona de lindos e românticos jardins. Talvez o mais emblemático seja o Jardim Majorelle, tomado por flores do mundo inteiro, fontes e onde está instalado também o Islamic Art Museum of Marrakesh, uma casa azul em estilo art déco com um acervo de arte islâmica. Já os mais antigos são os Agdal Gardens, construídos no século 12, enquanto o Le Jardin Secret, situado na Medina, é um ótimo exemplo de jardim islâmico (a dica é prestar atenção nos seus detalhes geométricos).

Onde comer

Terrasse des Épices
O restaurante tem inspiração na gastronomia marroquina, mas conta também com opções da culinária internacional no cardápio. As sobremesas também têm destaque na casa, assim como o ambiente acolhedor.  terrassedesepices.com

Palais Jad Mahal
A decoração do Palace Jad Mahal é composta por artesanato marroquino combinado com elementos inspirados na cultura indiana. A arquitetura da casa remete a antigos palácios tradicionais do Marrocos, e o local ainda está cercado por plantas e piscinas. No menu, as culinárias marroquina, francesa e tailandesa são as protagonistas. palaisjadmahal.com

Dar Essalam
O restaurante tradicional marroquino foi fundado em 1952 e tem sua arquitetura mantida intacta - desde suas influências árabes até os toques da região de Andalucia, sul da Espanha, na sua decoração interna. Em 1956, o restaurante foi cena do filme "O Homem que Sabia Demais", de Alfred Hitchcock, estrelado por James Stewart e Doris Day. daressalam.com

Onde ficar
 
Royal Mansour
Hospedar-se nos riads do Royal Mansour – retiro que reflete o melhor das tradições marroquinas em cada detalhe – é uma experiência única. O hotel exibe uma imponente arquitetura marroquina, com sedas, antiguidades e móveis artesanais compondo a suntuosa decoração. Estrelado pelo Guia Michelin, o chef Yannick Alléno comanda os restaurantes, que servem a alta cozinha francesa, marroquina e internacional.
 
Amanjena  
O Amanjena se inspirou nas construções em tons de rosa muito comuns em Marrakeck, e nos Jardins da Menara, construídos no século 12 e um dos símbolos da cidade. O hotel ainda conta com fontes - muito tradicionais também nos jardins de Marrakech - em seus espaços externos. Seus pavilions e maisons proporcionam todo conforto aos casais, além de exibirem uma decoração inspirada na cultura marroquina, como azulejos zellij (uma espécie de mosaico cerâmico). No spa, são realizados tratamentos que utilizam ervas locais e óleo de argão, uma planta do Marrocos, enquanto na gastronomia, o destaque é o restaurante Caidal, que proporciona diversos menus e a possibilidade de um jantar privativo à luz de velas, acompanhado por música marroquina ao vivo.  
 
La Villa des Orangers
No Relais et Châteaux La Villa des Orangers, os casais podem apreciar o melhor do artesanato marroquino nos interiores deste riad, instalado no sopé da Mesquita Koutoubia e próximo à praça Djemaa el-Fna.  Entre as acomodações, o destaque é um charmoso private riad com piscina particular dentro do próprio hotel. Ainda estão à disposição dos casais uma piscina instalada no rooftop com vistas panorâmicas, inclusive da Cordilheira do Atlas, e um spa que utiliza procedimentos com aromas suaves de pétalas de rosa ou flores de laranjeira, e ainda proporciona um kessala, terapeuta de hammam. O jantarzinho romântico pode ser garantido no restaurante do hotel, que privilegia os sabores do Mediterrâneo e do Marrocos. 
0 Comentário